O que é meditação ?

Meditação pode ser entendida de formas diferentes, de acordo com o ponto de vista de quem a explica. Podemos estudar Meditação através dos mestres religiosos orientais ou dos cientistas ocidentais, e ainda em cada um desses grupos haverá divergências tanto no entendimento do que seja Meditação, como na técnica oferecida para que se atinja esse estado. As divergências, porém, não invalidam os benefícios que qualquer uma delas pode oferecer a quem as pratica. O ideal é que cada um experimente meditar e aprenda por si mesmo.

As neurociências tendem a considerar a prática da meditação como uma forma de se (re) conquistar o equilíbrio fisiológico do nosso organismo. Se você está desnecessariamente ativado(a), reagindo às situações corriqueiras da vida cotidiana como se fossem um problema de vida ou morte, meditar pode lhe trazer o relaxamento e a tranqüilidade necessários ao bem viver. Se você, pelo contrário, está apático, incapaz de reagir prazerosamente às situações favoráveis da sua vida, meditar pode lhe proporcionar essa energia, ativando sensações e sentimentos positivos.

Meditar, em um primeiro momento ou nível de aprendizado, é simplesmente interromper o fluxo de pensamentos rotineiros que ocupam a sua mente. E que acarretam a sensação de “stress” ou de “depressão” de que tão comumente as pessoas se queixam hoje em dia. Afinal, prolongar a raiva de uma discussão até horas depois de terminada a conversa, transforma seu dia em uma discussão interminável, não é mesmo? E há pessoas que persistem “discutindo” pelo resto da vida, com pessoas que já nem estão mais entre nós!! Pois meditar é cortar esse fluxo de pensamentos/sentimentos que nos obstruem a mente, para deixá-la livre para ser criativa.

Você pode meditar concentrando-se em uma imagem ou som (mantra), por exemplo. Simplesmente recolha-se em uma posição confortável (não relaxada, pois não é para dormir) e foque sua atenção em uma imagem (real ou mental) e sempre que perceber que está divagando sobre outras coisas, gentilmente afaste do pensamento essa outra coisa e volte a focar o objeto escolhido. Faça isso quantas vezes for necessário. Se você tentar meditar por 10 minutos e achar que só conseguiu focar a atenção por poucos segundos, acredite, você já meditou!

Outra forma fácil de meditar é simplesmente entregar-se inteiramente ao momento presente. Se você, por exemplo, estiver lavando um prato, não divague sobre outras coisas, como a conversa do almoço ou o quanto todos em casa deixam para você esse serviço e somem de perto. Simplesmente sinta o prato, a sensação do sabão escorrendo por seus dedos, a textura da espuma, o relevo da louça, a temperatura da água. Cada vez que você se surpreender divagando, não se aborreça, afinal há quantos anos você funciona desse jeito, fazendo uma coisa e pensando em outra!! Apenas largue o devaneio e volte a se concentrar no que está fazendo. Seu cérebro sentirá a diferença.

voltar

dra. denise menezes©